sábado, 26 de setembro de 2009

ANÁLISE DO FILME O CONTADOR DE HISTÓRIAS


O Contador de Histórias


◦ Sinopse

O filme conta a dramática e trágica história de um menino chamado Roberto, nascido nos anos 1970, em Belo Horizonte e o caçula de uma família pobre com muitos filhos. Acreditando que seria o melhor para seu filho, a mãe de Roberto, o entregou à FEBEM (Fundação para o Bem-Estar do Menor). Ela acreditava que ele teria um futuro melhor ali dentro, estudaria, e se tornaria um profissional bem sucedido, mas acabou tornando-se um fugitivo da instituição e autor de vários crimes. Sofreu com o abandono, a violência (passou por situações terríveis incluindo estupro) e, consequentemente, a exclusão social.

De tanto fugir e ser capturado, Roberto passou por inúmeros educadores e psicólogos, alguns deles não empregavam uma pedagogia que fosse capaz de mudar a realidade da vida daquela criança e muitas vezes chagaram a classificá-lo como um “caso perdido” e “irrecuperável”.

O destino colocou em seu caminho uma mulher chamada Marguerite Duvas, uma pedagoga francesa que estava no Brasil para fazer uma pesquisa e encontrou na história de vida de Roberto um estímulo. Ela não apenas utilizou o menino como objeto de pesquisa, como também tomou pra si os cuidados dele, pois creditava que apensar de ser um menino de rua e um menor delinqüente, tinha um grande potencial, além de amá-lo bastante.

Roberto conseguiu estudar e tornar-se, anos depois, um famoso contador de histórias, conhecido internacionalmente. Baseado em fatos reais, a história de Roberto Carlos Ramos foi relatada num livro que ele mesmo escreveu, em 2002.

◦A realidade infantil

SOFRIMENTO, apenas essa palavra define a realidade de crianças que viviam no contexto de Roberto. A violência os marcava fisicamente e psicologicamente, os fazendo agir como criminosos, por não terem outras oportunidades de mostrarem que poderiam ser diferentes.

Felizmente, as algumas crianças são salvas desse mundo cruel, como Roberto, que teve na figura da pedagoga francesa uma base para seu crescimento e desenvolvimento como pessoa, alguém de bem. Outras ficam à mercê do destino, sendo obrigadas a pagarem altos preços por isso.

◦ A pedagogia

A pedagogia e a psicologia são muito bem representadas por Marguerite, a pedagoga francesa, vivida pela atriz Maria de Medeiros. Ela se utilizou de métodos simples e diferente aplicando-as com carinho. De início, ela tenta, apenas, concluir a sua pesquisa, ao mesmo tempo em que a comove e a intriga a história de Roberto, a francesa se envolve ainda mais. Surpreende-se quando Roberto deixa claro que confia nela e que a tem muito mais como uma amiga, mas também, como sua “mãe”.

Ela o ensina a escrever ler e também a falar francês, pois acreditava que ele deveria ser enxergado de um modo diferente na sociedade e não como um menino de rua, sem futuro.

◦ Conclusão

O filme é fundamentado num drama, que tem por objetivo sensibilizar e alertar a todos quanto à realidade não só do país, principalmente pedagogos e psicólogos na sua formação. Hoje, muitas crianças ainda esperam por uma transformação em suas vidas ou a vinda de pessoas que contribuam para o seu crescimento e as tirem dessa triste realidade que atinge grande parte da sociedade brasileira.
(EQUIPE)

Nenhum comentário:

Postar um comentário